The future of work: The empathy economy

Compartilhe no facebook
Compartilhe no google
Compartilhe no twitter
Compartilhe no linkedin

As I sit and reflect whilst in self isolation, considering the fundamental societal and educational shifts that are being precipitated by COVID19, I wanted to look beyond the immediate and focus on what our future may look like. I decided to base my musings on a pivotal piece of research carried out by PwC "Força de trabalho do futuro: as forças concorrentes modelando 2030". No relatório, eles traçaram quatro direções plausíveis em que nossa força de trabalho futura poderia avançar, apresentando diferentes benefícios, bem como desafios, para nós como educadores, enquanto tentamos equipar nossos alunos com as habilidades, atributos, competências e conhecimentos para florescer neste futuro incerto.

Estes quatro cenários foram apresentados como quatro mundos (vermelho, amarelo, azul e verde)

Given current circumstances, where humanity is facing a global “lockdown” and communities are forced into isolation, I thought it most important to explore the yellow world first. The yellow world is built on an “empathy economy:” a world where humanity comes first. In an empathy economy, fairness and social good are dominant, where businesses with a heart and artisans are able to thrive in a bustling and creative marketplace. Fairness, ethics, and empathy are safeguarded by society as the most important values.

What does a future empathy economy look like in action? Here are some of the attributes:

  • O ensino é fundamental: O ensino se tornará uma das ocupações mais procuradas, já que sua provisão de habilidades é altamente procurada por cada membro da força de trabalho. 
  • Novas tecnologias e IA: é hora de permitir que a tecnologia acelere a igualdade no progresso, na aprendizagem e na educação. A igualdade de acesso à educação será alcançada através do e-learning. Tarefas repetitivas e administração de baixo nível se tornarão automatizadas, liberando tempo que é gasto no lado humano do ensino.
  • A inteligência emocional é valorizada: seja codificação ou carpintaria, os trabalhos que terão sucesso terão um conjunto central de habilidades relacionadas à criatividade, resolução de problemas e comunicação. Os professores são procurados pelas empresas para treinar os funcionários em habilidades sociais que são freqüentemente ignoradas em nosso mundo de hoje.
  • As áreas urbanas florescem: in this empathy economy, those in urban settings will have no problem achieving success with social skill development, etc. However, individuals in rural areas could struggle to thrive as the hotbed of empathetic investment and development is reserved for more liberal areas. This could create a larger disparity than already exists between nations like Vietnam versus nations like Japan.

Um mundo de empatia é aquele no qual trabalhadores, empresas e instituições educacionais buscam maior significado, bem como relevância, no que fazem. As pessoas querem respostas - elas não querem ser apenas mais um sinal de alerta no radar corporativo em geral. Há uma demanda por justiça, distribuição de riqueza e igualdade que torna possível que a diversidade prospere em todos os setores.

Haverá flexibilidade, autonomia e realização, uma vez que os galpões individuais depositam sua marca pessoal para o bem do coletivo. Os empregadores tradicionais não são tão valorizados quanto aqueles que estão levando seu tempo para investir em projetos de justiça social e de organização comunitária.

O que isso significa para a educação?

Preparing students for an empathy economy will require a restructuring of classic “testing,” in exchange for competency and skill development, debate, and communication. Creativity will be more valued, with personal growth and expression through the arts central to the curriculum offered by schools and colleges. Volunteering will become a mandatory part of graduating, helping to expose students to nonprofits and social justice concepts they can manage at companies.

E-Learning will develop rapidly and be equally highly valued as traditional classroom-based learning, with advances in VR conferencing, and collaborative group projects prioritized over individual achievement and advancement. This will make it easier for students around the world to secure an equal education. 

Um futuro de empatia é certamente um futuro que eu respeitaria e dado os desafios que estamos enfrentando atualmente, um futuro que precisamos.

No entanto, a questão é: A humanidade se importa o suficiente para agir ou estamos intrinsecamente interessados e auto-suficientes?

Escrito por

Escola Internacional Montreux

Montreux International School

No MIS, os estudantes estudam o Programa de Bacharelado Internacional (IB) relacionado à Carreira (CP), que foi projetado para estudantes entre 16 e 19 anos de idade, e se baseia no rigor acadêmico do modelo básico do IB em combinação com o estudo relacionado à carreira e a experiência do mundo real. Atualmente, o MIS está oferecendo dois cursos relacionados à carreira, um IBCP em Negócios e Hospitalidade em parceria com escolas do Grupo Educacional Suíço e um IBCP em Negócios e Marketing Digital.